“Vejam bem que não há só cerejas na terra quando um homem se põe a pensar”

“Vejam bem que não há só cerejas na terra quando um homem se põe a pensar “

PSD

É com a honestidade pessoal e política que sempre nortearam o meu percurso autárquico, que saúdo o recente surgimento da lista de independentes “Mais Oleiros”. Em primeiro lugar, porque é sinónimo de vitalidade do nosso Concelho, que mostra assim ter pessoas capazes de enfrentar os mais variados desafios nas mais díspares circunstâncias; Depois, porque muitos dos elementos que compõem esta lista são pessoas por quem tenho a maior estima e amizade, e a quem reconheço competência e capacidade de trabalho; Por fim, porque a Democracia é feita disto mesmo: salutar diversidade de opiniões, ideias e projetos, sem os quais não há quaisquer possibilidades de andarmos para a frente. 
Dito isto, não posso ainda deixar de apelar aos membros da candidatura independente “Mais Oleiros”, para que tentem protagonizar uma campanha sempre pela positiva, mantendo a elevação do discurso e promovendo o debate sério sobre os problemas existentes, de forma a podermos todos constituir parte das soluções. Esses comportamentos, que eu próprio me comprometo a interpretar da forma mais rigorosa e vertical possível, só irão fortalecer o nosso Concelho que, no fundo, é aquilo que nos move e que nos une, mesmo na diferença. 
Quem tiver que ganhar as eleições, que ganhe com honra e seriedade. Quem tiver que perder, que o faça com dignidade. Se assim for, estou certo de que, no final, iremos todos arregaçar as mangas e trabalhar com vista à resolução dos problemas do nosso Município.

Paulo Brás (candidato a vereador pelo PSD,Oleiros)

………..

Sinceramente após ter lido esta declaração de interesses, ou mensagem , apelando ao consenso em nome de uma região, fiquei deveras esclarecido, o conteúdo rançoso e bolorento da mesma é de bradar aos céus, agora e só agora se fala no consenso ,estamos perante uma mensagem ao bom estilo de populismo e propaganda dos tempos da outra senhora .

Ilustre candidato a vereador do PSD, na política não há amigos , não serve para alimentar egos ,a política é a arte do encontro das necessidades, anseios  da resolução dos problemas de um povo, isto sim é servir a causa pública.

Mas como eu o entendo, não é tarefa fácil, ser o legítimo representante  do partido (PSD) do governo , que ficará na história, pela destruição de um país, não é fácil não haver sitio, lugar vila, aldeia  ou cidade onde não seja vexado (gatunos, ladrões , demitam-se ….)na praça pública, assim entendo o seu apelo ao consenso .

Bem podem agora falar em Oleiros Sempre, tentando seguir o mau exemplo dos Menezes, Flores da nossa praça e abandonarem o navio, apagando as siglas do vosso partido, é triste, sim é triste ter-se vergonha da família.

Todavia o que interessa aos Oleirenses, ao nosso povo, é discutir ideias e não pessoas  ou lóbis, e nesse sentido sugiro-lhe o esclarecimento sobre o que interessa o desenvolvimento sustentável da região .

Quais os vossos projectos para a criação de emprego?

Que pensam fazer em relação à quebra demográfica  na região, em 30 anos 60% é obra!!

Quais os incentivos  para a fixação da população, incentivos à natalidade.

Para quando o investimento na cultura , museu, casa das artes , centro de ciência …….

Para quando um planeamento sério , eficaz e eficiente na sector do turismo.

Para quando a criação de condições que possam atrair investimento no concelho

Que medidas a ter para que os nossos jovens que nunca como hoje tiveram índices de competência e qualidade que não sejam  obrigados a partir.

Não me querendo alongar, e tanto mas tanto, que havia para discutir, fico a aguardar o essencial e não as coisas pequenas que só afectam as mentes pequenas .

Já agora sejamos sérios, não nos venham com promessas de campos sintéticos, monumentos ao pinheiro bravo para atrair turistas, não menosprezem a inteligência da nossa gente, sabemos que não são, mas não nos façam a nós palhaços !!

BEM HAJAM

* Carlos Fernandes, Director-Adjunto do Jornal de Oleiros

 

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques, Inclusão, Oleiros. ligação permanente.

7 Respostas a “Vejam bem que não há só cerejas na terra quando um homem se põe a pensar”

  1. AP diz:

    Ha Ha Ha Ha….bodes expiatórios…assumam logo srs do jornal…não temos apoios, nem assinaturas e apoiamos a listo dos mais Oleiros, que mudaram de opinião em meses, tal como os Srs mudaram..ou será preciso por aqui as declarações do actual candidato director do jornal que escreveu nas suas edições á politica desenvolvida em Oleiros, até á 4/5 meses atrás…posso transcrever!!!Mudou de opinião porquê???? Ou teve que mudar???? Agora só lhe digo uma coisa..este director adjunto só o prejudica Sr Director…
    Muito fraco como pessoa!!! E Ofensivo!!!

    • Se AP: Excepcionalmente, porque não se identifica e escreve normalmente a coberto de letras AP, foi publicado o seu comentário.
      A intenção é tentar mostrar-lhe que existem abissais diferenças entre nós.
      NãO VOLTARÁ A VER QUALQUER COMENTÁRIO SEU.
      …..
      Para sua decepção, o que escrevi há 4 ou 5 meses, ou há 4 anos, ou muitos mais, voltarei a continuar a escrever, persistentemente.
      A minha esperança (ainda há alguma esperança neste pobre país) é que a liberdade impere, a responsabilidade também e, o povo possa escolher livre e defender o que mais lhe pode interessar.
      Se o povo pensar, seguramente optará por um caminho bem diferente do seu.

  2. Acácio Garcia diz:

    Exmo Sr. Director do Jornal de Oleiros,

    Dirijo-me a si directamente e publicamente para lamentar a resposta do seu Director Adjunto. Poucas vezes li algo que tanto nojo me mete-se. Esse ”Senhor” e a linguagem que usa são algo absolutamente abjecto e que vai contra as mais elementares regras do bom jornalismo e da educação inclusive. O candidato a vereador nada mais fez que cumprimentar, educadamente, uma candidatura que até é encabeçada por alguém da sua zona. Faz até referencias elogiosas a alguns dos membros dessa candidatura. Quanto ao embrulho que faz entre Autarquicas e Legislativas ou Poder Central se assim quiser, mais uma vez é mal intencionado. Uma coisa nada tem a ver com outra. Seria curioso ver quem enterrou este Pais e começar na miserável Descolonização preconizada por quem todos sabemos e passar em diante e analisar a corrupção que ocorreu no tempo do ”Engenheirissimo” Sócrates que nos levou á situação actual. Mais, o candidato a Vereador em momento algum esconde a sua candidatura pelo PSD. Já a candidatura que agora aparece pelo que me parece é mais uma reedição dos Socialistas locais encapotados numa candidatura independente a que se juntam alguns rejeitados pelo PSD local e admito algumas pessoas honestas, capazes, que estranhamente se lhe juntaram. Mas o que me levou a dirigir-me a si pessoalmente tem a ver com o tom absolutamente insultuoso daquilo que foi escrito pelo seu Director Adjunto. A Politica a nível local faz-se de outra maneira. Mas o respeito mútuo esse deve ser igual em todo o lado e não se vê no que o referido Senhor escreve para alem de ser absolutamente tendencioso.
    Como vê ainda há nessa terra quem assine o que escreve e o que pensa.
    Acácio Garcia

  3. Américo Lourenço diz:

    Sr. Paulo Brás
    Para uma pessoa que já tem um longo percurso na política autárquica e conhecendo nós esse percurso, é no mínimo descaramento iniciar o seu artigo aludindo à sua honestidade pessoal e política. Sobre a honestidade pessoal não me pronuncio. Mas sobre a honestidade política há que dizer que uma pessoa que inicia a sua vida autárquica numa lista do PS, passa de seguida para uma lista independente, mas apoiada pelo mesmo partido e aterra finalmente no PSD não revela qualquer coerência ideológica mas sim oportunismo declarado. A não ser que tenha descoberto que a prática do atual PSD no governo do país é a mais adequada para os portugueses.
    Sobre o apelo ao discurso positivo e de elevação é estranho que apenas possa comprometer a sua pessoa no âmbito da sua lista. Eu percebo. É que a história das eleições autárquicas está cheia de exemplos, exatamente em sentido contrário, por parte dos maiores responsáveis que o acompanham na lista. Por último a questão do debate de ideias. Por acaso leu os programas (???) do PSD das anteriores candidaturas? Eu li e apenas vi banalidades. Ideias nenhumas.

  4. Joaquim Vitorino diz:

    Lamentável é o termo que me ocorre, toda a polémica gerada em torno das candidaturas autárquicas, o povo de Oleiros merece um pouco mais. O Diretor do Jornal de Oleiros, é um verdadeiro democrata, e de grande condescendência, senão não publicaria as ofensas contra ele e um seu colaborador; não tendo a coragem o autor, de dar a cara com o seu nome completo. Compreendo a adversidade, mas não os extremos; porque não serve os Oleirenses. Pelo respeito e amizade que Oleiros me merece, faço um apelo à calma de todos os que querem servir oleiros, porque só estes devem merecer a devida consideração dos que os vão eleger. J. Vitorino

    • Caro Amigo Joaquim Vitorino
      Obrigado pelas Suas palavras. na verdade, este é o caminho, a isenção. Assim persistirei.
      Evidentemente, tentando ser didáctico, tenho publicado, salvo 1 ou 2, creio localizados na mesma pessoa (isto é obra de um grupo muito restricto e sem representatividade), protegidos da sorte, que como nada fazem mas possuem os melhores empregos da terra, criam emails (aparentemente fictícios…) e enviam. Uns assinam como AP outros JM outros KM, etc, etc. E pensam que são anónimos…mas não são. Como o Amigo sabe, como ex- Director de Segurança da maior Embaixada existente em Portugal, consultei e aconselhei-me com especialistas em segurança e autoridades, não para protecção pessoal que não preciso, mas, para proteger se necessário as pessoas que me deram apoio e isso devo-lhes como atenção. Então os IP’s dos emails levam-nos directamente ao computador do “emcapuçado que atira pedras escondido por detrás do muro…”. Não farei mais nada, para já e, só o farei se as coisas ultrapassarem o nível que foi decidido. Espero que parem, para que tudo pare, mas o medo incentiva-os a serem cobardes, caciques…foi a educação que tiveram, é compreensível.
      Obrigado pela atenção e vamos finalmente deixar de publicar o que não seja assinado.
      Abraço.

  5. Carlos Fernandes diz:

    Caros leitores, por uma questão de princípios e valores, não comento ofensas e mensagens nominativas, aceito todas as opiniões, é assim que entendo a liberdade e democracia .Todavia para que não fiquem dúvidas gostaria de partilhar convosco uma convicção: O grande engano da mediocridade! Este é um alerta para os nossos dias. O fácil, o imediato, o que dá para todos, o que passa por democrático, o que está ‘benzinho’ e mediano, parece, tantas vezes, a solução. Não fazer ondas, ceder, ir pelo mais ou menos, vale tudo desde que não chegue cá o incómodo: este é o retrato dos desiludidos! Nivelar por baixo não é caminho, é engano. bem hajam

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *