EDITORIAL: Eleições Autárquicas e Legislativas em simultâneo, a solução

EDITORIAL

Paulino B. Fernandes

Com o país a resvalar para uma perigosa crise agravada, urge encarar a situação que vivemos de forma drástica.

Portugal não pode ter dois actos eleitorais em pouco tempo, nem o tempo permite que se vá adiando um problema latente, visível e a crispar dia-a-dia mais as relações entre os portugueses e o governo que está distante, insensível e segue políticas que vão destruir o que resta da nação.

O produto interno a cair 4%, o dobro do previsto, o desemprego a acentuar-se (oficial na casa de 20%) e o não oficial e real seguramente já nos 25%, a situação é de alarme geral. O número actual de empregados é já tão baixo, cerca de 4 500 000 pessoas que pode comprometer (está a comprometer) a segurança social. As falências, às centenas, milhares, criam um cortejo de miséria e comprometem o IRC e o IVA.

Portugal não pode pagar a dívida nas actuais circunstâncias.

Aliás, a dívida, apesar da destruição do país, aumenta todos os dias e está em níveis absurdos.

A receita aplicada na Grécia e em Portugal abateu os dois países. No primeiro caso, a Grécia, o FMI vem agora reconhecer o erro, em Portugal reconhecerá mais tarde, demasiado tarde.

Necessitamos de uma solução governativa que se alie ao país e, junto dos parceiros internacionais possa encontrar soluções alternativas que devem passar pelo perdão de parte significativa da dívida, menores juros e mais tempo. Não há outro caminho.

Não há tempo.

Assim, resolvendo as coisas em Democracia como se deseja, façamos as Eleições Legislativas juntas com as Autárquicas. É possível, é indispensável.

Director

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques, Economia. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *