António Capucho responde ao PSD

António D'Orey Capucho

Publicamos a nota que o Dr. António Capucho, Colaborador Especializado habitual do nosso Jornal teve a gentileza de nos remeter

Face a esta notícia do DN baseada em declarações de Miguel Pinto Luz, cumpre-me informar o seguinte:
Na verdade estou há muito “fora” do PSD desde que a actual direcção se afastou da matriz social-democrata que esteve na génese do Partido liderado por Sá Carneiro e que eu me orgulho de ter ajudado a fundar e a implantar em todo o País. A estratégia e a acção governativas são bem demonstrativas do alinhamento neoliberal do PSD e da subserviência apática às imposições da troika. No seio do Partido a orientação prepotente e oligárquica dominante a nível nacional e em muitas estruturas distritais e locais vai pelo caminho do maniqueísmo: quem não é por eles é contra eles. Por isso, quem estará a mais no PSD não serei eu e muitos outros militantes que apoiam candidaturas independentes, mas sim aqueles que o desviaram da sua orientação programática e instalaram uma máquina partidária subserviente. É neste pressuposto que não deixarei de apoiar a regeneração do PSD. Por isso não me demiti e apenas suspendi a minha militância. Mas reconheço que a actual direcção está no seu direito, em termos formais, de aplicar a norma estatutária que permite expulsar todos aqueles que apoiarem candidaturas autárquicas independentes. Mas não deixa de ser sintomático o facto de terem anunciado aguardar para o efeito a realização das próximas eleições… Decidi integrar, através da Assembleia Municipal, uma candidatura independente a Sintra liderada por Marco Almeida, pois considero que este foi oportunamente apresentado pelas bases para o efeito, nos termos estatutários, e é de longe a personalidade que considero mais merecedora de receber a confiança dos sintrenses. O PSD, num gesto precipitado, decidiu recusar a proposta das bases sem motivo fundamentado e apresentar uma personalidade alheia ao concelho, num processo que suscita as maiores reservas quanto à legalidade dos procedimentos e que será provavelmente condenada a um estrondoso fracasso nas urnas. Tenho a consciência tranquila e convicto de que estou a contribuir para uma vitória justa de Marco Almeida, que já deu provas concretas de que é aquele que melhor saberá defender os interesses dos sintrenses.
Cordiamente, António d’Orey Capucho

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques, Opinião, Política. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *