Feira Quinhentista e acontecimentos complementares alteram trânsito em Oleiros

Foral Manuelino

Centro Histórico da Vila de Oleiros fechado ao trânsito

 

Do final da tarde do dia 30 de maio até às 24h00 do dia 2 de junho

 

Com a realização da Feira Quinhentista em Oleiros, de 31 de maio a 2 de junho, um evento promovido por esta autarquia, em parceria com o Agrupamento de Escolas Padre António de Andrade e a Companhia de Teatro Viv´Arte, o qual se integra nas comemorações dos 500 anos do Foral Manuelino de Oleiros, as ruas do Centro Histórico da Vila estarão encerradas ao trânsito automóvel a partir do final da tarde de quinta-feira, dia 30 de maio.

Recorde-se que este pretende ser um acontecimento diferenciador e a exemplo da última edição promete envolver toda a comunidade. Um exemplo desta adesão tem a ver com as habitações e estabelecimentos comerciais de Oleiros que começam a ser engalanados com motivos relacionados com a temática do Foral e da era quinhentista. Descobrimentos, Renascimento, o Padre António de Andrade ou o Foral Manuelino de Oleiros, são apenas alguns dos motes para a decoração das montras.

Se não tem planos para o próximo fim-de-semana, esta será uma boa oportunidade de conhecer a Vila de Oleiros e toda a sua história, com as ruas do Centro Histórico encerradas ao trânsito e um programa de animação bastante apelativo.

Foral Manuelino de Oleiros em colóquio pelo dr. Leonel Azevedo

Dia 1 de junho, 16H00, Auditório da casa da Cultura de Oleiros

 

No âmbito da realização da Feira Quinhentista em Oleiros, a qual decorre de 31 de maio a 2 de junho no Centro Histórico daquela vila e se insere nas celebrações dos 500 anos da atribuição do seu Foral Manuelino, está agendado para sábado (dia 1 de junho) um colóquio que irá abordar algumas questões relacionadas com aquele documento régio. O acontecimento está marcado para as 16H, após a passagem do cortejo pelas ruas do burgo (o qual terá início pelas 15 horas de sábado) no Auditório da Casa da Cultura de Oleiros, sito na Praça da República.

Recorde-se que a Carta de Foral ou simplesmente Foral, consiste num documento real utilizado em Portugal que visava estabelecer um concelho e regular a sua administração, limites e privilégios. Os forais manuelinos, também chamados de “Forais Novos”, foram atribuídos no reinado de D. Manuel I, maioritariamente no séc. XVI, a chamada era quinhentista, com o objetivo de sistematizar a governação local ao nível administrativo. Estes são também conhecidos como de “leitura nova”, uma vez que neles é instituído um novo tipo de letra caligráfica (o gótico librário), mais inteligível.

Para além do colóquio sobre o Foral Manuelino de Oleiros, o programa da Feira compreende diversas atividades. Com início marcado para as 20H de sexta-feira (dia 31 de maio), os festejos prolongam-se por 3 dias com um banquete ao ar livre, arraial, danças à desgarrada, espetáculo de malabares de fogo e Danças Mouras. Durante as celebrações, não faltarão comeres e beberes nas tabernas e casas de pasto.

Nos dias de sábado e domingo a feira abre às 14H00, havendo nos dois dias a realização de um cortejo régio, pelas ruas do burgo (15H). A animação no terreiro será outra constante com Danças Renascentistas, jogos tradicionais infantis, torneios de armas apeados e a cavalo, danças e folias com saltimbancos e muitas recriações históricas como a leitura e teatralização da Carta de Foral, no domingo, após o cortejo régio.

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *