3 novos mega-agrupamentos escolares em Castelo Branco – Professores contra

* Crescem os agrupamentos escolares e os problemas

* Professores denunciam queda de qualidade e novos problemas

* Transcrevemos o Comunicado que nos foi enviado pelo Sindicato dos Professores

Pela calada da noite MEC volta a atacar com mais 3 novos “mega-agrupamentos” no distrito de Castelo Branco

Desrespeitando a vontade expressa publicamente dos órgãos das escolas, das autarquias, dos pais dos concelhos de Castelo Branco e Covilhã e do Conselho Municipal desta última localidade, o MEC anunciou ontem à noite, a formação de mais 3 mega-agrupamentos num conjunto de 18 a nível do país!

Para além das objeções de fundo que se colocam sobre a constituição destas “hiper” e desumanizadas estruturas, mais uma vez a Direção Distrital de Castelo Branco (DDCB) do SPRC  denuncia a forma como o processo está a decorrer e as consequências, nomeadamente a nível pedagógico, que podem advir das alterações da rede escolar com o ano letivo a decorrer. 

Os estudos conhecidos [cf. nomeadamente com o Estudo realizado pela FENPROF ou com a Recomendação nº 7 do Conselho Nacional de Educação (CNE), divulgada em Outubro de 2012] sobre os  impactos da formação das “agregações” do tempo do governo PS demonstram o aparecimento de inúmeros constrangimentos. Na citada recomendação do CNE pode ler-se: “a criação de agrupamentos de grande dimensão tem vindo a criar problemas novos onde eles não existiam: reforço da centralização burocrática dentro dos agrupamentos; aumento do fosso entre quem decide e os problemas concretos a reclamar decisão, com a criação de novas hierarquias de poderes subdelegados; existências de vários órgãos de gestão que nunca se encontram nem se articulam entre si; sobrevalorização da gestão administrativa face à gestão autónoma das vertentes pedagógicas. Tudo isto fragiliza ainda mais a já frágil autonomia e deixa pela frente o reforço do cenário único e salvador do caos: a recentralização do poder na administração central, agora reforçada na sua capacidade de controlo de tudo e todos, pelas novas tecnologias.”.

Recorda-se que foi repudiando lógicas de aumento da qualidade pedagógiga agora invocada para justificar a necessidade de criação destas mega-estruturas que, o PSD e o CDS, em 11 de agosto de 2010, na Assembleia da República, então na oposição, votaram favoravelmente a Resolução da AR nº 94/2010, que não reconhecia legitimidade a esse argumento e recomendava ao governo de José Sócrates a suspensão imediata do processo de constituição de mega-agrupamentos bem como a reposição da situação anterior, isto é, a reversão das implicações que tinha tido em todos os agrupamentos e escolas afetadas.

Por outro lado a DDCB do SPRC denuncia ainda a enormidade das distâncias geográficas entre a sede de agrupamento e algumas escolas (ex: Agrupamento de Escola Frei Heitor Pinto e EB1 de S. Jorge da Beira dista cerca de 100 km por estradas sinuosas e de montanha) bem como o elevado números de alunos (ex: Agrupamentos Escolas Nun’Álvares com quase 3000 alunos) que constituirão estas agregações, opondo-se claramente ao critério enunciado pelo MEC de terem “uma dimensão equilibrada e racional”.

Por fim denuncia-se o verdadeiro motivo (não enunciado pelo MEC) de todo este processo: provocar o embaratecimento do sistema público na educação e qualificação dos portugueses,  poupando no imediato alguns milhões de euros, nomeadamente com o aumento do desemprego direto e indireto dos professores, mas que no futuro se transformarão em grandes “amargos de boca” pela inevitável quebra dos indicadores nesta área fulcral para o futuro do país!

É neste contexto que a DDCB do SPRC reafirma a urgente necessidade de se discutir seriamente o sistema educativo que queremos para o nosso país.

Por isso, durante o mês de abril o SPRC estará nas escolas com os professores para debater estes e outros problemas e, particularmente na próxima semana, a FENPROF realizará a “AÇÃO DE MOBILIZAÇÃO GERAL DOS PROFESSORES – TOLERÂNCIA ZERO PARA COM O GOVERNO E AS SUAS POLÍTICAS” no maior número possível de escolas, para a qual se pede o maior empenho dos professores na presença, participação e debate.

Apelamos ainda a que os professores integrem a “MARCHA CONTRA O EMPOBRECIMENTO”, que no distrito de Castelo Branco passará a 9 de abril, organizada pela União dos Sindicatos de Castelo Branco da CGTP-IN!

A Direção Distrital de Castelo Branco do SPRC

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Castelo Branco. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *