O Museu da Floresta, por Fernando Dias

O MUSEU DA FLORESTA

Corro o risco de, ao tornar pública uma ideia, a mesma ser aproveitada por outros e não por alguém da nossa terra. De qualquer modo, penso que é melhor partilhar as ideias do que guardá-las fechadas na nossa cabeça. Se, como diz o ditado, “Da discussão nasce a luz”, então que se discutam e troquem e aperfeiçoem as ideias.

Oleiros nunca terá sido uma região de grande produção agrícola, tão rigorosos são os seus Invernos e tão montanhoso é quase todo o concelho. Tem sido, isso sim, um território densamente florestado com espécies variadas ao longo dos séculos.

Terá havido grandes manchas de carvalhos e de castanheiros (veja-se a quantidade de lugares com nomes relacionados: Carvalhal, Carvalheira, Vale do Souto, Souto Carrasco, Ribeiro do Souto, etc.. Durante muitas décadas, dominou o pinheiro bravo e, mais recentemente, há uma notória “invasão” de eucaliptos. Deixo para outros a discussão sobre as espécies mais adequadas e sobre o que deveria ser feito para bem da nossa floresta. O que é inegável, é o seu imenso valor, desde há muitas gerações. Muitas famílias se governaram da floresta, muitos jovens estudaram com o rendimento da floresta, muitos milhares de toneladas de resina e de madeira já saíram da floresta de Oleiros.

Assim sendo, parece-me ajustada a ideia de aqui criar um MUSEU DA FLORESTA. Não sei se já existe noutro concelho, mas desenvolvo na mesma a minha ideia. A floresta já deu muita resina e ainda dá madeira para vários fins, dá lenha, mato, caruma, pinhas, cogumelos, medronhos, serve de pasto para o gado caprino, tem caça, tem ar puro, recantos magníficos e uma enorme diversidade de plantas e de animais. E sobre cada um destes aspetos, há uma história secular de trabalhos, de utensílios, de episódios e de atividades para recolher e para mostrar, principalmente aos mais novos e aos visitantes. Mas a floresta não é só passado, também tem de ter futuro. Também um museu não deve apenas mostrar o que havia, mas sensibilizar, ensinar, estimular o conhecimento, promover a investigação, ser uma fonte de saber e de estudo. Conheço alguns museus temáticos com enorme sucesso. Criam postos de trabalho diretos e indiretos, atraem milhares de visitantes ao longo do ano, geram riqueza e dão nome e movimento às localidades onde estão instalados.

Talvez este também tenha pernas para andar. Talvez fizesse sentido em Oleiros. Talvez também pudesse ser um caso de sucesso na nossa terra.

* Fernando Dias, Professor, Colaborador do Jornal de Oleiros

 

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Comunidades, Economia, Educação, Oleiros. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *