Qual é a pressa?, Por José Lagiosa

Qual é a pressa?

Portugal voltou aos mercados. Rejubilaram os setores financeiro, os Bancos que participaram na colocação, o Governo e a maioria que o suporta e muitos analistas cá do burgo.

A ida aos mercados pode, no entanto, não ser um ótima notícia. Nem tudo o que parece é, afinal.

O que esta notícia nos diz é que com as reações que fomos ouvindo, ao longo da semana, o Governo ganha folga na opinião pública, alivia a pressão política a que tem estado sujeito e adia o clima insustentável que se lhe perspetivava até há bem pouco tempo.

Veio dinheiro. Virá no futuro dinheiro mais barato para as empresas. Mas para que serve o dinheiro se ninguém o utilizar, para além do próprio estado? Não mudamos a política económica, logo iremos ao mercado buscar mais endividamento, mas não financiamento.

Sem mudar as políticas económicas, repensando a brutal carga fiscal que nos vai assolar em 2013, não há mercado que nos valha.

A economia portuguesa está em agonia. Sem procura interna, com as exportações a prometer baixar drasticamente, com um país em recessão e uma dívida de 120% do PIB, será difícil pagar as dívidas mesmo com juros muito baixos.

Entretanto o Governo, ao invés de lançar um amplo debate nacional, de como reformar o Estado, com a participação o mais abrangente possível, fecha-se e aponta para uma redução violentíssima de quatro mil milhões de euros na despesa, que a fazer-se no timing que o Governo pretende não serão mais do mesmo, ou seja cortes sobre cortes no estado social, nomeadamente nas áreas da saúde, ensino e segurança social, agravando ainda mais as condições de vida de milhares e milhares de portugueses.

É caso para perguntar qual é a pressa?

* José Lagiosa, Representa o Jornal de Oleiros em Castelo Branco.

Nota do Director: Ao abrigo do acôrdo existente entre o Jornal de Oleiros e a Gazeta do Interior, publicamos o presente artigo que José Lagiosa escreve semanalmente na coluna “DESASSOSSEGO”.

José Lagiosa

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Castelo Branco, Comunidades, Destaques, Política. ligação permanente.

Uma Resposta a Qual é a pressa?, Por José Lagiosa

  1. Joaquim Vitorino diz:

    Amigo Lagiosa, esta do sucesso dos 2.500 milhões colocados no mercado, foi bem orquestrada, alguns portugueses ficaram anestesiados, vem aí montes de dinheiro; não nos vai faltar nada, pensam muitos. Estamos a 320 dias do fim deste ano, muita gente ainda não refletiu, o que será no final de 2014, quando Portugal for ao mercado pedir 50.000 milhões?, a dívida acima referida, foi comprada pelos Ingleses, 30%, Stanley Bank USA, 30%,, apenas um banco português, subscreveu a dívida pública, porquê? não têm confiança no país que os recapitalizou?, ou que lhes deu o oval à sua recapitalização?, se os nossos bancos não colocam o dinheiro, ao serviço da economia, e não o investem no estado, deixando este à subserviência de outros, e também não o emprestam aos cidadãos, qual é o verdadeiro papel dos nossos bancos?. o dinheiro dentro dos bancos não cria riqueza, é preciso dar-lhe rotatividade económica, para não se repetir o mesmo. (Eu não falei do BPN ) .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *