O FAROL, “A ida à Lua…perdão, aos mercados”, por António Graça

O FAROL

O autor do Farol não reconhece as regras do novo acordo ortográfico

A ida à Lua… perdão, aos mercados

 

Aleluia! Deitaram foguetes e apanharam as canas. Portugal foi aos mercados colocar dívida, o que, em linguagem mais humana, significa que foi pedir mais dinheiro emprestado.

Para quem colocou este feito como desígnio quase histórico do país, trata-se, de facto, de uma vitória, mas, bem vistas as coisas, e usando linguagem futebolística, não foi mais do que empatar o jogo, no final da 1ª parte, na transformação de um penalti mal assinalado. Falta o resto do jogo e o objectivo é a vitória.

O governo colocou como seu grande objectivo as idas aos mercados, mas, se bem nos recordamos, nunca acertou na data em que o faria e acabou por ir antes do que vinha a anunciar, aproveitando uma “boleia” da Irlanda e da Espanha.

Ter como objectivo máximo o pedir dinheiro emprestado para viver, não nos parece ser a postura indicada para um governo que se preze de o ser.

Na situação actual do país o objectivo a perseguir deverá ser o do crescimento da economia, por forma a criar empresas e empregos gerar a riqueza de que o país necessita para, no mínimo, cumprir os seus compromissos financeiros.

Esta ida aos mercados para pedir emprestados 2mil e quinhentos milhões de euros, apenas vai servir para pagar juros dos empréstimos anteriores e não para aplicar na economia portuguesa, ou seja, foi-se aumentar a dívida sem a contrapartida de criar os meios para pagar os seus encargos. Tudo indica ter-se tratado principalmente de uma operação de “marketing” do governo para justificar o actual nível de austeridade, ou até o seu futuro agravamento desta, em nome de objetivos que não servem os portugueses, apenas satisfazem a agiotagem dos credores.

Daí o entendermos que esta operação não pode, em consciência, ser comemorada como se tivéssemos colocado um português na Lua.

Reacção curiosa foi a do conselheiro Borges, que afirmou não ser necessária mais austeridade.

Mais uma vez permito-me discordar da sua afirmação. A verdade é que, enquanto o país se encontrar em recessão económica, a austeridade continuará, sob a actual ou sob outra forma, a ser companheira dos portugueses, sobretudo dos que vivem dos seus salários e das suas pensões

Jaime Neves

Uma palavra final em memória do General Jaime Neves.

Militar de alto gabarito profissional, admirado pelos seus superiores e respeitado pelos seus subordinados, foi sempre uma personalidade integra, não se deixando seduzir pelos caminhos da política, vincando sempre a fronteira entre esta e a actividade militar, ao contrário de outros seus contemporâneos, Otolos e Obesos, que fizeram o contrário, acabando por não ser nem bons militares nem políticos. O futuro se encarregará de gravar o seu nome na história contemporânea de Portugal.

* António Graça, Colaborador do Jornal de Oleiros

 

António Graça

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Castelo Branco, Comunidades, Destaques, Economia, Forças Armadas, Política. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *