Turismo sustentável e o Concelho de Oleiros, por Fernando Carvalho

Turismo Sustentável e o Concelho de Oleiros

Temos vindo a debater o tema do Turismo em anteriores publicações deste jornal, nomeadamente na sua vertente “sustentável” e sua aplicação prática ao concelho de Oleiros.

Defendeu-se nestas páginas que aquela vertente assenta no conceito de desenvolvimento sustentável em que “produzir local e consumir local” é um dos princípios básicos. Vem este tema a propósito da experiência prática que hoje vivemos na gestão do Hotel Santa Margarida e das dificuldades que sentimos em aplicar aquele conceito.

Com efeito, é extremamente difícil, de acordo com as condicionantes legais aplicáveis à actividade, consumir a produção local se os produtores não estiverem preparados e organizados para esse efeito. No entanto, dado que o nosso compromisso de gestão assentava nessa ideia, é um problema que tentaremos resolver e estamos convictos que o conseguiremos.

 

Hotel

O Hotel Santa Margarida e o conceito

 

Quando nos envolvemos no processo de candidatura à exploração do hotel Santa Margarida, conscientes da sua importância para Oleiros e do conceito que sempre  defendemos, estabelecemos determinados objectivos que nos servem de guia e que nos permitimos partilhar neste espaço:

“O Hotel “Santa Margarida” terá como objectivo fundamental assumir-se como um factor de desenvolvimento local, numa perspectiva de sustentabilidade económica e social.

Assim, poderemos enumerar alguns dos principais contributos do hotel, que deverão constituir a sua “Missão”:

– Potenciar o aumento do número de visitantes do concelho;

– Fomentar a criação de emprego, num espírito de iniciativa empreendedora e geradora de riqueza, com incidência nas actividades ligadas à natureza, ao lazer e à aventura, através de parcerias com agentes locais;

– Incentivar à renovação de produtos já existentes, adaptando-os às novas tendências da procura;

– Promover a criação de produtos locais, contribuindo para processos de certificação, integrados na estratégia Oleiros/Geopark e no conceito de sustentabilidade;

– Criar ou promover a realização de eventos de índole gastronómica, cultural e musical que se assumam como motivação de visita;

– Contribuir para a qualidade da oferta gastronómica cultural (tradicional) baseado num serviço de excelência;

– Abertura à comunidade local, colocando o hotel ao serviço dos munícipes, por via da realização de workshops temáticos, de exposições ou de acções de formação, como complementaridade às estruturas já existentes;

– Desenvolver parcerias locais, com serviços de referência, que permitam uma ocupação permanente e atractiva dos visitantes;

– Promover a divulgação do hotel e do concelho no exterior.”

Passados cerca de três meses após a abertura do hotel, é com satisfação que constatamos que estes objectivos têm vindo a ser atingidos, o que reforça a nossa motivação em manter a mesma estratégia.

Poderemos, a título de exemplo, enumerar aspectos da actividade do hotel durante este período:

– Ao nível do emprego, o hotel gerou directamente trabalho para 14 pessoas, que constituem uma equipa jovem, a maioria com formação académica de nível superior ou com qualificação técnica relacionada com a actividade. Há ainda colaboradores provenientes do centro de emprego, com uma excelente experiência na actividade, muito importante para consolidar a qualidade do serviço;

– A aposta na gastronomia e nos produtos regionais está bem encaminhada e mantém-se como principal objectivo do projecto. É uma área que requer tempo para se consolidar, pelas dificuldades já referidas, mas que irá obter resultados;

– Apesar de se terem conjugado vários factores negativos (abertura no início da época baixa, pouco tempo para divulgação nos canais de distribuição, Oleiros não ser um local de passagem e a instabilidade económica que se vive) tem sido possível garantir níveis de ocupação aceitáveis, com aproximadamente 800 dormidas durante aqueles três meses;

– Em termos de marketing, têm sido realizadas várias campanhas, assim como a deslocação a Oleiros de diversos operadores turisticos e jornalistas, que têm proporcionado uma excelente notoriedade para o Hotel e para Oleiros;

– A adesão à rede “Aldeias de Xisto”, a inclusão do hotel no projecto da “Geopark/Naturtejo” e no “Turismo do Centro” são também determinantes na mesma estratégia de notoriedade;

– As diversas iniciativas de índole cultural (músical, exposições, colóquios, etc.) têm sido um sucesso assinalável;

– O restaurante “Callum” demonstrou já estar à altura das necessidades do Concelho que se refere à realização de eventos e comemorações, prestando um serviço de qualidade que dignifica Oleiros.

Estamos hoje, mais do que nunca, em condições de reafirmar o nosso compromisso de “missão” com que iniciámos o projecto e em aplicar, na prática, os conceitos de turismo sustentável que antes defendemos. O percurso é longo, é difícil, mas é possível!

Fernando Carvalho

* Fernando Carvalho, Colaborador do Jornal de Oleiros

Janeiro de 2013

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Comunidades, Destaques, Economia. ligação permanente.

8 Respostas a Turismo sustentável e o Concelho de Oleiros, por Fernando Carvalho

  1. Carlos Fernandes diz:

    Nestes tempos , difíceis para todos e particularmente para a industria do turismo, é com agrado que constato que mais que falar, existe alguém que faz acontecer, ao contrário de outros que veem acontecer e de outros que teimam em falar normalmente mal do que aconteceu .
    Colaborar deste jornal Fernando Carvalho de há longa data , ofereceu-nos uma perspectiva de planeamento estratégico do seu empreendimento , bem haja .
    Hoje desenvolvimento sustentável é a palavra de ordem, todos falam todos discutem , mas o que se entende por desenvolvimento sustentável?
    A s três grandes vertentes do mesmo são a nível económico , sendo gerador de valor para a região não só com a criação de trabalho directo ou indirecto, onde a comparticipação de todos é desejável, criando uma rede, cluster de desenvolvimento mais do que em produtos ou serviços , uma marca própria , exemp: a marca Oleiros .
    A vertente ambiental de elevada importância . sugiro a certificação exemp: a carbono zero , a nível de resíduos etc.Por fim a vertente social, mais criar empregos é contribuir para a riqueza da região sendo que o mesmo só se efectiva com parcerias , artesãos agricultores ,artistas , e de extrema importância animadores e criadores de eventos, aí Oleiros tem que inovar ser criativo a matéria prima existe falta a qualificação de recursos humanos , o marketing e sincronismo entre todos .
    Afinal o que o turista quer é mais que consumir fruir, quer a vivência da região , ver o património histórico e cultural, animação e autenticidade. Como tal o sucesso e crescimento depende da qualidade do serviço e da magia que todos possamos fabricar , uma imagem ,uma experiência vale mais que mil palavras .
    Bem haja Fernando Carvalho pela sua coragem , conte connosco ,

  2. Caro Colaborador, também Amigo, Fernando Carvalho
    Li com atenção a peça que enviou e vai sair tb na edição em papel devido à actualidade, tecnicidade e aposta na região.
    Não sendo um especialista instruído em matérias de turismo, sou, no entanto um cidadão actualizado e, o que li, inspirou-me.
    A lutra que trava não é fácil. Conheço aliás esse tipo de lutas no nosso jornal.
    Cumpre-me felicitar o Amigo pela acuidade e pertinência das matérias tratadas, no fundo o futuro da região.
    Um abraço,
    Paulino Fernandes
    Director

  3. Ramiro Roque diz:

    Boa tarde
    Admiro todos aqueles que vieram investir na sua terra tal como eu o fiz a 23 Anos .Depois do que vi ontem neste jornal deixa-me de veras surpreendido como e possivel chegar aqui uma noticia a cerca do turismo no concelho enviada pelo Sr. Fernando Carvalho 10 min.Depois ja estava apagada e hoge volta essa noticia mas totalmente alterada ,sera que alguem lhe disse que nao o devia ter feito daquela maneira ou fou falta de coragem de mante-la no ar naqueles moldes?Ou sera que deveria ter passado pela senssura antes de ter sido publicada,meus Srs Deveriam penssar antes de escreverem ou sera que nos os que ja estamos ca e investimos ca somos alguns leigos nesta materia ou entao chegou o salvador da patria.
    Abraço
    Ramiro Roque

    • Fernando Carvalho diz:

      Apresento, antes de mais, as minhas desculpas ao Director do Jornal e aos leitores pela situação criada…

      Esta ocorrência merece, contudo, um breve esclarecimento:
      Enviei na 6ª feira, cerca das 20.00h, um texto para eventual publicação no JO. Infelizmente seguiu um documento que servira de base ao texto final, estando inacabado, desactualizado e com frases sem ligação entre si (como o comprova o seu final: “Nesta perspectiva, poderemos identificar as seguintes origens de negócio com interesse para o projecto: Fernando Carvalho, Novembro de 2012”). Não continha nada que não pudesse ser lido ou que comprometesse o que quer que fosse! Era simplesmente um “rascunho”…

      Logo que percebi o erro, informei o Director do Jornal e enviei o documento correcto. Infelizmente já fora colocado on line!

      Reitero as minhas desculpas pela confusão criada… E contem todos com a minha total disponibilidade, e do projecto que lidero, para um trabalho sério e empenhado em prol do nosso concelho. Tentaremos ser sempre um factor de união e não de divisão.

      Um abraço
      Fernando Carvalho

  4. Maravilha, cada vez mais o jornal é visto e seguido. Como Director não posso desejar outra coisa.
    Também, pela primeira vez vejo um comentário da Amigo Ramiro e não posso deixar de o saudar e incentivar a escrever mais. É bom.
    Cabe apenas uma nota de esclarecimento:
    Efectivamente o artigo foi ligeiramente alterado a pedido do autor.
    Coisa que consideramos normal, para mais sendo um Colaborador e Amigo da primeira hora.
    O sentido não foi alterado e reflete e bem sobre a região e o turismo do futuro.
    Não é fácil para qualquer autor, escrever, dar a cara pelas suas ideias. O Fernando fê-lo e bem.
    E não creio, não senti isso, que em qualquer momento diminuisse a importância dos seus restantes colegas na região – seguramente importantes individualmente e no conjunto – como é o caso do estupendo SLIDE em CAMBAS que tanto apreciamos.
    Creio ser importante dar ênfase aos investimentos na região, isso sim importante, pois, as sinergias são evidentes e benéficas para todos.
    Abraço,
    Director

  5. Joaquim Vitorino diz:

    A falta de corrente elétrica na Vermelha, não me permitiu, responder a Fernando Carvalho; daqui lhe envio os meus parabéns pelo seu artigo, um pouco tardio, mas seria injusto se não fizesse; tenho mais de 45 anos a trabalhar neste setor, como o Diretor deste Jornal sabe; não é facíl levar o turismo para o interior; em alguns casos vai encontrar barreiras, até por parte de algum poder autárquico que sabe, que o desenvolvimento nesta área, irá certamente fazer com que percam o seu poder local; chocando assim contra os seu interesses. Portugal tem que se fazer ao caminho, e de momento esta é, a única estrada. Embora contando com a experiência de mais velhos; esta tarefa vai ser para jovens, que gostem do seu país; e que queiram dar a cara e o esforço por ele. O país está a definhar a todos os níveis, temos que sair deste lamaçal; o futuro de Portugal, não está nas cidades, mas sim no interior do país, é aqui que se produz a riqueza que a cidade consome. A política no interior tem que mudar; mas acima de tudo, é urgente mudar as mentalidades de muitos, que por conveniência própria não vão querer; este é o paradigma português de há muitos anos; os inteligentes, vão-se deixando vencer pelos espertos. Bom Ano 2013

  6. Fernando Carvalho diz:

    Apresento, antes de mais, as minhas desculpas ao Director do Jornal e aos leitores pela situação criada…

    Esta ocorrência merece, contudo, um breve esclarecimento:
    Enviei na 6ª feira, cerca das 20.00h, um texto para eventual publicação no JO. Infelizmente seguiu um documento que servira de base ao texto final, estando inacabado, desactualizado e com frases sem ligação entre si (como o comprova o seu final: \Nesta perspectiva, poderemos identificar as seguintes origens de negócio com interesse para o projecto: Fernando Carvalho, Novembro de 2011\). Não continha nada que não pudesse ser lido ou que comprometesse o que quer que fosse! Era simplesmente um \rascunho\…

    Logo que percebi o erro, informei o Director do Jornal e enviei o documento correcto. Infelizmente já fora colocado on line!

    Reitero as minhas desculpas pela confusão criada… E contem todos com a minha total disponibilidade, e do projecto que lidero, para um trabalho sério e empenhado em prol do nosso concelho. Tentaremos ser sempre um factor de união e não de divisão.

    Um abraço
    Fernando Carvalho

  7. Caro Amigo e Colaborador
    Sem dúvida, a velocidade de actualização neste jornal é muito grande.
    Assumo alguma precipitação na colocação online, mas, nada que causa drama.
    O artigo não teve alteração de sentido e é excelente como se pode ver por vários comentários espalhados no site e em rede alternativas.
    Como diz o Joaquim Viorino, é preciso é agora força para aplicar conceitos e obter o sucesso.
    Um abraço,
    Director
    Nota: Pela importância da matéria e qualidade exibida, o artigo será justificadamente publicado na edição em papel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *