Chegou o Advento, vem o Natal, por António Justo

Chegou o Advento vem o Natal. Aquele tempo em que optimistas celebram e pessimistas lamentam, produzindo a harmonia das notas do Universo. Uns cantam em bemol, outros em allegretto (sustenido). Para todos é Natal em cada dia: uns na alegria do gerar outros nas dores do parto.

Se não fosse a referência de Lucas no seu evangelho de que Jesus nasceu num curral de pastores com os anjos a cantar e os reis magos a visitá-lo, certamente que a ideia do presépio não se teria vulgarizado e o mundo seria mais frio. Independentemente da exactidão histórica do relato, imaginem como seria frio e sombrio o mês de Dezembro, sem a festa de Natal. Lucas quer com a sua narração dizer que do seu presépio surgirá o amigo dos pobres (dos pastores que eram então a classe mais baixa da sociedade). Das baixezas dum curral surge a luz da justiça a preparar a paz. A fé nesta mensagem é o contraponto da fé nas acções da bolsa e da fé dos milhões que levarão a paz apenas aos mercados financeiros.

No Natal a vida reúne-se em festa. A natureza unida toca-nos porque lá no íntimo do presépio, de cada um, flagra uma chama, sorri uma criança. Quem ama não está sozinho, encontra-se à lareira do presépio onde se encontram pessoas, animais, pastores e reis sob o mesmo calor. No presépio do mundo, somos todos reis a seguir uma estrela, a luz do horizonte.

No Natal, independente do credo, celebra-se a humanidade, por isso Natal é a festa de todos, a festa mais humana de todas as festas. Nela o mundo muda, nós mudamos; é natal, a vida a jorrar em tudo: Deus a tornar-se homem para podermos ser criança.

Lá fora na praça a sede dum tempo novo passa. No chão as leis, enlameadas, tornam a praça escorregadia. No ar sombrio dum tempo árido, se ergue, nas nuvens da amargura, o gralhar da dor de doentes, desempregados, desiludidos e não amados. As sombras invertidas. Ruinas de vida, no chão, estendidas. Esboços no chão, à espera do presente da vida.

Neste dia em que nada acontecia marquei um encontro comigo. A consoada estava demorada; em casa, sozinho, descanso das compras. No recolhimento, ouço alguém que bate à porta. – Quem é? – É um Jesus fugitivo, que precisa de pausa, para descansar do estresse do dia. – A minha porta está aberta mas a minha casa desarrumada. – Não importa, o que conta é a porta aberta para poder entrar e comigo a paz. Muitos têm a porta fechada, com os meus presentes amontoados à porta… – Como vês só tenho aqui umas rabanadas, uns bolos e o resto por acabar de fazer. Que desejas? – Quero amor, aquela parte de mim, que tu és. -Eu amo e tu és a resposta.

António da Cunha Duarte Justo

antoniocunhajusto@gmail.com

www.antonio-justo.eu

António Justo

 

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Comunidades, Destaques, História, Igreja católica, Inclusão, Opinião com as tags . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *