Câmara de Oleiros e Hotel Santa Margarida promovem a região

O moderno Hotel Santa Margarida, em Torna, Oleiros, recebeu no passado fim-de-semana uma visita educacional de cerca de uma vintena e meia de convidados, na sua maioria agentes de viagens, representantes da Abreu Online, Lifecooler, HotelBed, Smilo, VT Operadores e Welcomebeds. Visita essa que também serviu para dar a conhecer algumas das potencialidades da região.

O evento foi promovido pela Modo Distinto no âmbito da assessoria na gestão comercial e de promoção daquela unidade hoteleira de 4 estrelas.

Quanto ao Hotel Santa Margarida, ao qual o Opção Turismo já se referiu anteriormente, é propriedade da Câmara Municipal de Oleiros, gerido pela empresa Georural-Actividades Hoteleiras e tendo como directora geral Maria da Conceição Rocha, também sócia da Georural.

Esta moderna unidade hoteleira, inaugurada em Outubro último, emprega actualmente 14 funcionários, incluindo a sua directora geral, e tem Sofia Alves, como responsável pela Recepção.

Outro elemento chave é o chef Leonel Barata, que tem vindo, de certo modo, a revolucionar as ementas do Restaurante Callum, utilizando os melhores produtos frescos locais.

Saliente-se que uma das grandes apostas do Hotel Santa Margarida é a gastronomia, sendo já de referenciar como especialidades do Restaurante Callum, os típicos maranhos, o cabrito estonado e o polvo com castanhas.

Apesar do mau tempo que obrigou a uma mudança do programa previsto, nomeadamente no que concerne aos locais, foram dois dias bem passados e divertidos.

No sábado, por exemplo, a proposta do almoço era um magusto no Miradouro do Cabeço do Mosqueiro, um “ninho” de águias transformado em parque de merendas e que oferece – em dias de sol – paisagens deslumbrantes, tendo o rio Zêzere a correr pelo seu leito sinuoso num profundo vale a mais de 350 metros. Dele avista-se as serras da Gardunha e da Estrela, o vale glaciário de Alforfa, os Penedos de Góis e as serras xistentas de Açor, Lousã e Cabeço da Rainha.

A constante chuva, fria e por vezes bem forte, “transferiu” o magusto para um amplo e bem apetrechado telheiro da Associação Cultural da Póvoa da Ribeira e nada foi perdido! Ou talvez mesmo, se tenha ganho não só no regionalismo como também em originalidade.

Os “comes” começaram por uma sopa de cogumelos silvestres, legumes e mais uns q.b., da autoria do chef Leonel Barata, quentinha como se impunha para derreter o frio.

Seguiram-se os grelhados geridos por dois “especialistas” na grelha sobre bidão cortado ao meio com carvão sempre no ponto, eram variados: entremeada e costeletas de javali, entremeada de porco, costeletas de borrego e chouriço. Para acompanhar, batatas assadas a murro, arroz de feijão e salada.

Bebidas também não faltaram bem como a sobremesa: mousse de castanhas com geleia de medronho.

No final, as castanhas assadas, a água-pé, o medronho e o café!

A animação também foi interessante com as actuações do Grupo Folclórico do Orvalho e de dois acordeonistas. Para rebater, a empresa de turismo e aventura Grau 5, organizou umas brincadeiras para animarem (ainda mais) a malta.

Antes do almoço, uma visita à sede da Junta de Freguesia de Orvalho onde o seu presidente, Paulo Brás, apresentou um filme sobre a freguesia e suas potencialidades. Uma oportunidade para se ouvir também o Dr. Carlos Carvalho que explicou de forma sucinta o que era o GeoPark Naturtejo.

O dia de sábado fechou, como se costuma dizer, com “chave de ouro”. Ou seja, um jantar gourmet presidido pelo presidente da autarquia de Oleiros, comendador José Marques. A ementa do repasto oferecia o Bacalhau com broa e o Cabrito assado. Para sobremesa, outra especialidade da região: pudim de carolo.

Em termos de animação não podia ter sido melhor a escolha. O Grupo Torre d’Anto, composto por “quatro doutores” de Coimbra, preencheu o final do jantar com canções e fados de Coimbra e também de autores bem conhecidos como Zeca Afonso, Adriano Correia de Oliveira e outros.

O dia, ou melhor, a noite oficial terminou com algumas palavras do presidente da Câmara Municipal de Oleiros, há 27 anos no cargo, que fez uma contou de maneira fácil e simples o evoluir do concelho, dos anos 80 até então.

José Marques salientou, entre outros pontos, que o concelho está hoje dotado de infra-estruturas invejáveis e de apoio à população, mas não de obras megalómanas, e também que é o segundo concelho do país com menos desemprego. Vivemos uma época particularmente difícil em que devemos ser solidários e saber ult6rapassar as adversidades, disse o autarca, acrescentando que a nossa estratégia passa por trazer pessoas a este território, evidenciando uma capacidade de oferta notável que se vem consolidando a cada dia que passa.

Domingo, ao contrário do dia anterior, acordou solarengo, sem nuvens. E, porque é domingo, dia de descanso, o programa apenas comtemplou a visita à aldeia de xisto de Álvaro, sobranceira ao rio Zêzere, acomodada na albufeira do Cabril.

O grupo, tal como no dia anterior, foi acompanhado pela Engª Inês Martins, do Gabinete de Comunicação da C.M. de Oleiros.

A aldeia de Álvaro é uma das “aldeias brancas” da Rede das Aldeias de Xisto e teve um passado não só de grande importância na região como também de alguma riqueza económica. O seu património religioso mostra que também foi uma povoação importante para as ordens religiosas.

É de aconselhar fazer o chamado circuito das Capelas, dotado de uma importante panóplia de manifestações de arte sacra, bem como visitar a Igreja da Misericórdia, para se conhecer bem a aldeia.

* Fonte, Modo Distinto Comunicação

 

Hotel Santa Margarida

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Álvaro, Autarquias, Destaques, Economia, Oleiros, Orvalho. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *