“Até sempre Gutenberg”, por Carlos Fernandes

“Até sempre Gutenberg”

Johannes Gensfleisch zur Laden zum Gutenberg ou melhor simplesmente Gutenberg, foi um inventor e gráfico alemão, nascido na Mongúncia – Mainz em 1398. Teve um papel fundamental no desenvolvimento da Renascença, Reforma e na Revolução cientifica, deve-se a ele as bases materiais para a moderna economia baseada no conhecimento e a disseminação da aprendizagem em massa.

prensa de madeira

Gutenberg foi o primeiro no mundo a usar a impressão por tipos móveis, e o inventor global da prensa móvel. Entre as suas muitas contribuições para a impressão, estão a invenção de um processo de impressão em massa de tipo móvel, a utilização de tinta a base de óleo, e ainda o uso de uma prensa de madeira similar á prensa de parafuso agrícola usada na época.

Todavia a sua invenção verdadeiramente memorável foi a combinação de todos esses elementos num sistema prático que permitiu a produção em massa de livros impressos o que era economicamente rentável para gráficas e leitores. O método Gutenberg a sua tecnologia de impressão rapidamente se espalhou peça Europa e mais tarde pelo Mundo, estávamos perante o mentor o pioneiro da imprensa escrita.

As imprensas na Idade Média eram simples tabelas gordas e pesadas ou blocos de pedra que se apoiavam sobre a matriz de impressão já entintada para transferir sua imagem ao pergaminho ou papel. A imprensa de Gutenberg é uma adaptação daquelas usadas para espremer o suco das uvas na fabricação do vinho, com as quais estava familiarizado, já que a Mongúncia onde viveu e nasceu se encontra no Vale do Reno uma região vinícola desde sempre. Depois da invenção dos tipos e da adaptação da prensa vinícola outras experiências se realizaram, para que a qualidade de impressão fosse um dado adquirido.

Pra comprovar a magnificência deste inventor alemão realiza-se anualmente, nos Estados Unidos, o “Festival Gutenberg” uma espécie de feira de demonstrações e inovações na área do desenho gráfico, da impressão digital, da publicação e da conversão do texto, o que só nos vem demonstrar que a invenção do mestre Gutenberg consegue ainda hoje, cultivar seguidores que , da sua experiência base tentam superar o invento e adaptar as tecnologias modernas ás exigentes necessidades do mundo atual.

Chegados aos nossos dias, os meios de comunicação tradicional, estão perante o seu maior desafio desde há 200 anos, sair do papel e pôr os leitores online a gerar receitas para sustentar os projetos .

A semana que passou foi a prova, que um pouco por todo o mundo que a imprensa se encontra em crise .

A Newsweek empurrada pelo declínio da publicidade e da circulação, cessa de existir enquanto produto impresso já no inicio de 2013, o ano do seu 80ª aniversário, passará a uma existência meramente virtual.

Em Portugal a administração da Soanaecom faz depender a existência do principal jornal de referência o Público do desinvestimento no papel e da aposta na edição digital reservada a assinantes . Processo idêntico no Reino Unido com o Guardian e o Daly Telegraph .Na Alemanha o Die Weit anuncia que o acesso gratuito aos conteúdos dos jornais na internet vai acabar.

A agência Lusa, os trabalhadores acabam de realizar quatro dias de greve contra o anunciado corte de 30% estipulado pelo governo no orçamento de estado. Com uma crise que emerge a cada dia que passa, novos desafios se nos deparam, em relação á imprensa regional cada vez mais a perseverança a atitude, e o solene compromisso com as gentes da sua região, poderemos preservar a azáfama, a arte do encontro de todos junto, aos quiosques e praças das nossas terras onde o ser autêntico , genuíno e cidadão de corpo inteiro, nos poderá levar a sentar nas nuvens e desfolhar o nosso jornal iluminados pela lua !

Até sempre Gutenberg, aqui na nossa terra estarás sempre presente, pois tal como no fabrico do nosso vinho a prensa da vida jamais parará

Bem hajam

Carlos Fernandes

Carlos Fernandes

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques, Economia, Memórias com as tags . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *