Português, Profissão: Desempregado, por António Moreira

PORTUGUÊS, PROFISSÃO: DESEMPREGADO.

O Ministro das Finanças, Dr. V. Gaspar, acaba de lançar sobre o Povo Português, o melhor Povo do Mundo, como ele agora diz, um enorme aumento de impostos, um verdadeiro “assalto à mão armada”, segundo Marques Mendes, opinião partilhada pela esmagadora maioria deste nobre Povo.

Como diria o saudoso Raul Solnado: “Desculpe se o matei”…

Várias vezes nos temos interrogado como foi possível chegarmos a este nível de pobreza generalizada, e de “esbulho violento”, praticado pelo Governo sobre os indefesos Portugueses.

Como foi possível chegarmos a este estado de miséria que alastra pelo Povo, progressiva e paulatinamente, como uma imensa mancha de óleo…

O que fizeram a este Povo, os governantes que se vêm sucedendo no Poder desde 01.01.1986?

Como chegamos a este nível de endividamento de mais de € 200.000.000,00 (duzentos mil milhões de euros) ?

O que fizeram com o dinheiro dos contribuintes e as grandes remessas da União Europeia?

Para além de gastarem milhões e milhões de euros em obras públicas, auto-estradas (exageradamente), estádios de futebol, 10 em 2004, a maioria deles “as moscas”, e tantas outras obras muitas vezes desnecessárias.

Em boa hora se travou o TGV e o novo aeroporto.

Porque abandonaram os nossos recursos naturais, os nossos campos e os nossos mares, isto é, o sector primário de actividade económica, a Agricultura e as Pescas e para além destas, também várias indústrias?

Os nossos Governantes consideram boa política terem abandonado mais de 2 000.000 (dois milhões) de hectares de terras, com mais de 220.000 agricultores a receberem subsídios por manterem as suas terras, ou pelo facto de as manterem, totalmente incultas e abandonadas, levando-nos a importar cerca de 80% dos bens alimentares de que necessitamos, desde cereais da Russia, da Europa e/ou da América, batatas de Espanha, cebolas da Bolívia, grão-de-bico do Chile ou do México, alhos de Espanha ou da China, etc. etc. ?

E terem atribuído subsídios, desde a nossa entrada na então CEE, para abate de mais de metade das nossas embarcações de pescas, obrigando-nos a importar mais de 2/3 do pescado de que necessitamos, quando temos a maior Zona Económica Exclusiva (Z.E.E.), isto é, um imenso Mar por explorar?

E paralelamente temos cerca de 1.000.000 (um milhão) de Portugueses sem trabalho e sem meios de subsistência, e cerca de 30% dos jovens sem futuro, convidados a emigrar.

É este o quadro que os governantes, quais “piratas das caraíbas”, nos legaram.

Governantes que na sua maioria, deliberadamente ou por impreparação, apenas se têm preocupado com os seus interesses pessoais e os dos seus amigos, “mandando às malvas” os interesses superiores de toda a “Nação Portuguesa”, que para isto lhe conferiu mandato, isto é, mandato para a defenderem, e não para com ele se locupletarem à sua custa.

Quem pode ficar indiferente aos milhares de nossos concidadãos que, pelas 5 da manhã de cada dia, demandam os contentores de lixo nas principais cidades do País, em busca de alimentos?

Quem pode ficar indiferente aos gritos de desespero de uma senhora de 57 anos, viúva, desempregada, com 240 euros por mês, sem dinheiro, sem comida e sem nada, no dia 05.10.2012, nas cerimónias da implantação da República, nos Paços do Concelho da cidade de Lisboa, na presença do Presidente da República e dos demais órgãos de soberania e de todo o mundo?

Hoje quando perguntarmos a alguém qual a sua profissão o mais certo é termos como resposta: Desempregado.

Para onde caminhas Portugal?

Dr. António Moreira

P.S. António Martins Moreira escreve ao abrigo da antiga ortografia.

António Martins Moreira

advogado

 

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Desemprego, Destaques, Economia, Inclusão, Oleiros. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *