É horrível assistir à agonia de uma esperança “

Após mais um saque aos portugueses, eis que sábado amanhece solarengo cumprindo e acrescentando mais um dia à vida de todos, sem todavia dar esperança e vida ao dia de todos.
Perante mais um aperto, existem pelo menos duas atitudes
que chocam, a ausência completa de medidas de redução da despesa pública e a manutenção e abolição perpétua dos subsídios de férias e Natal aos reformados e pensionistas .

Passado um ano o Governo nada fez para reduzir a despesa pública, não cortou as tão proclamadas gorduras, e duvido que alguma vez o faça, pelo contrário o desperdício é lei , como acontece com os erros nos pagamentos das ajudas diretas no âmbito da Política Agrícola Comum , devido aos atrasos nos controlos das ajudas de superfície, são só 88,9 milhões de euros , para não dizer erros, que terão de devolver.
Com mais esta investida fiscal agora alargada aos trabalhadores do sector privado, onde a perda real é superior a um salário
líquido, mas o resultado prático desta medida será mais duro , já que o aumento da contribuição vai ser superior ao mês de ordenado líquido , exemplificando quem tem hoje um vencimento de 2000 euros, recebe actualmente líquidos 1400 euros, com esta nova medida passará a usufruir um vencimento de 1260 euros é obra !
Trata-se de aumento significativo, que é extremamente penalizador para quem trabalha, sem dúvida mais um imposto, a medida poderá e tenho sérias dúvidas ser positiva para as empresas produtoras de bens transacionáveis que competem nos mercados externos, mas sinceramente choca-me que as grandes empresas que não estão no sector dos bens transacionáveis, como a PT ou EDP, também recebam uma grande ajuda que não precisam e que lhes vai aumentar os lucros, será isto a Equidade garantida?
Vejam bem: 18% dos trabalhadores + 18% entidade patronal + 24% IRS (média) + 23% IVA… é de ficar sem esperança sem medo, pois como todos sabemos quando se perde a esperança também se fica sem medo, esta é hora de reclamarmos pelos nossos direitos e corrigirmos os nossos erros(saber em quem votamos e essencialmente votarmos).
Para que a esperança não agonize, e o futuros nossos filhos e netos não fique hipotecado façamos da nossa razão um apelo à mudança!!!


Vi-te a trabalhar o dia inteiro
construir as cidades pr´ós outros
carregar pedras, desperdiçar
muita força p´ra pouco dinheiro
Vi-te a trabalhar o dia inteiro
Muita força p´ra pouco dinheiro

Não me digas que não me compr´endes
quando os dias se tornam azedos
não me digas que nunca sentiste
uma força a crescer-te nos dedos
e uma raiva a nascer-te nos dentes
Não me digas que não me compr´endes
(Sérgio Godinho)

Bem hajam, Carlos Fernandes

Esta entrada foi publicada em Destaques, Economia, Oleiros. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *