O novo Hotel de Santa Margarida, por Carlos Fernandes

“A visão é a arte de coisas invisíveis “

A indústria hoteleira possui um grupo de indivíduos excepcionais que contribuíram significamente para o estabelecimento e desenvolvimento da profissão. Entre os pioneiros mais conhecidos, do final do século xx, estará certamente Cesar Ritz, era uma lenda em seu próprio tempo, não obstante, a exemplo de muitos outros capitães dos primórdios da indústria, ele começou por baixo, subindo todos os degraus até chegar ao topo.

Com vinte e dois anos, tornou-se gerente do Grand National Hotel de Lucerna. Suíça, um dos mais luxuosos do mundo.

Os negócios não estavam a correr da melhor forma quando Ritz assumiu a gerência, mas ele soube atrair, com a sua impetuosa inventividade, a gente in da alta sociedade, conseguindo recuperar completamente o Grand Hotel.

Após onze temporadas, ele aceitou um desafio maior: o Hotel Savoy de Londres, que havia sido aberto há apenas alguns meses, também as coisas não estavam a correr bem.

Foi assim que Cesar Ritz se tornou o gerente de um dos maiores e mais luxuosos hotéis do mundo, com a idade de trinta e oito anos. Uma vez mais, o seu faro e habilidade em influenciar as pessoas certas repercutiram positivamente a favor do hotel.

Para começar, ele fez do lugar um centro cultural para a alta sociedade, Ao lado de Escoffier, como seu chef executivo, ele criou um time que produziu a melhor cuisine da Europa, no mais elegante dos ambientes.

Tornou obrigatórios os vestidos de noite introduziu as orquestras nos restaurantes.

Numa ocasião, ele transformou um restaurante ás margens de um rio num verdadeiro canal Veneziano com pequenas gôndolas e gondoleiros cantando canções de amor Napolitanas.

Cesar Ritz considerava que saber lidar com as pessoas era a mais importante virtude de um hoteleiro. A sua imaginação e sensibilidade com os fregueses, hospedes e suas vontades estabeleceram um novo padrão em gerência de hotéis .

Por tudo isto o nome Ritz permanece como sinônimo de serviços e hotéis de excelência.

A vila de Oleiros, está para inaugurar uma unidade hoteleira de quatro estrelas, que  seja uma mais valia para a região são os meus sinceros votos, que o espirito de Cesar Ritz seja  a referência : ver sem olhar , ouvir sem escutar, e o cliente tem sempre razão.

Que a excelência, a qualidade e os sectores determinantes para a qualidade dos serviços : Confiança (habilidade para prestar serviços exactamente  como prometido), Capacidade de resposta (cumprir o prometido dentro do prazo), Segurança (conhecimento e cortesia dos funcionários, transmitindo segurança),Empatia(atenção individualizadas ao cliente). Itens tangíveis (aparência das instalações físicas dos equipamentos, funcionários e material de comunicação ),Responsabilidade (vontade de ajudar os clientes e fornecer um serviço adequado),com o cumprimento de todas estas variáveis, aliadas, à vontade, profissionalismo, criatividade e inovação, o Hotel Santa Margarida, não será mais um, mas sim  símbolo da hospitalidade e qualidade das gentes do Pinhal .

Votos de grande sucesso bem hajam.

Carlos Fernandes

Hotel de Santa Margarida

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Autarquias, Destaques, Economia, Oleiros. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *