Petromax, por Carlos Fernandes

Corria o ano de 1934, quando o empresário português, Luís António Maravilhas com loja na Rua do Arsenal nª120 se tornou agente exclusivo dos candeeiros Petromax de fabrico alemão em Portugal.

Tempos aqueles que a palavra Marketing nem sequer era conhecida na semântica nacional, todavia a sua visão empresarial, baseada na análise do meio envolvente, logo o motivou para investir nesta marca já que devido à crise energética e à constante falta de electricidade na cidade, ali viu uma excelente oportunidade de negócio, e em boa hora o fez.

Contudo duas dúvidas o assolaram, depois de escolher valor ou seja delinear a sua estratégia de mercado objectivo, a primeira como comunicar valor, dar a conhecer a marca depois como agradar e ir ao encontro da procura , se nestes nossos tempos os canais de distribuição e comunicação são globais e acessíveis naqueles tempos tudo era diferente tinha como aliados e ferramentas simples panfletos e jornais, além do efeito boca à boca hoje denominado dominó, mas também aí necessitava agradar a gregos e a troianos, já que o regime vigente na época não era de todo favorável.

“O melhor e mais económico candeeiro de incandescência”

Carlos Fernandes

Foi este anúncio (imagem a publicar em breve) que surgiu nas páginas dois maiores jornais da época, “Revolução “ e “Revolução Nacional”, sendo que os mesmos eram rivais e com ideologias diferentes o primeiro conotado com os camisas azuis do Nacional Sindicalismo de Rolão Preto (pai do fascismo português) , o segundo representante feroz do estado novo e com bastantes similitudes ao Nazismo alemão .

 

Perante este cenário Luís António Maravilhas soube aproveitar e de que maneira os valores visuais da marca Petromax , já que a mesma no seu desempenho ia ao encontro destes ideais , ora vejamos a luz emanada pelos candeeiros era azulada, indo ao encontro do ideal dos camisas azuis ao mesmo tempo, encontrava-se com a outra fracção pelo facto de ser de fabrico alemão. Pois foi com estes valores visuais em conjunto com os verbais como rigor eficiência robustez , apelando ao aspecto económico que meia Lisboa se tornou adepta destes candeeiros .

E hoje nesta Lisboa de chama apagada, que saudades do Petromax, mais que não fosse para alumiar os nossos erros

Bem hajam

Carlos Fernandes

 

 

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques, História, Oleiros. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *