“Prosas, Trovas e a Poesia partiu”, por Carlos Fernandes

Carlos Fernandes

“Prosas, Trovas e a Poesia partiu”

Única livraria de poesia em Portugal fechou as portas, já não bastava o ministério da cultura ter emigrado, como é triste este dia !

A livraria Poesia Incompleta de seu nome, cuja principal actividade era a dedicação total e exclusiva á poesia encerrou as portas, segundo o seu criador Mário Guerra, conhecido por Changuito ”sem dívidas e sem dúvidas”.

Esta livraria tinha aberto portas em Novembro do ano de 2008, a gerir cerca de oito a dez mil volumes cujo o tema era a poesia ou temas sobre a mesma , trabalhando com um universo de mais duzentas e sessenta editoras, sem dúvida um contributo e mais valia para a cultura e identidade portuguesa, uma lufada de ar fresco , uma luz , um hino ao empenho e criatividade do seu criador que contra ventos e marés naufragou sem avistar o Cabo da Boa Esperança.

Changuito no balanço final afirmou , que teve como retorno por dia “vinte sete tipos chatos a acharem que sabem escrever poesia e meio cliente”.

E como eu sei que vocês sabem o que todos sabemos, quase sempre nada, mas sempre com a atitude de tudo entender, é assim a nossa gente!

E quem de direito, que deveria ser a trincheira o balão de oxigénio, simplesmente se evaporou, como é fácil olhar para o lado, e agora que acontecerá aos milhares de livros ?

Segundo Changuita “vou doá-los ao Miguel Relvas que tem muito interesse por poesia “.

Resta-me também sem dívidas e sem dúvidas, lamentar mais este atentado á cultura á minha Pátria que é a língua portuguesa

Bem hajam

Carlos Fernandes

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Castelo Branco, Destaques, Memórias, Oleiros. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *