“P.N.A.M.”, por Carkos Correia

"Alminhas" do Roqueiro

P.N.A.M

Acabo de chegar ao que carinhosamente denomino de Reino de Prestes João , respirei fundo , purifiquei-me!

Olhei em frente a plantação de ervideíros do amigo Jorge lavei a vista!

Estava na hora de aconchegar o estômago , com as sempre inovidaveís receitas da Aldina, paredes meias no café do Anibal ilustre presidente do melhor clube de futebol da terra enchi a alma com o seu agradável café acompanhado pelo néctar do reino Exª medronho.

De bem comigo decidi caminhar pelos caminhos do pinhal, e meus amigos o que encontrei um sem número de vezes, aquilo a que alguns chamam fé , outros chamam arte religiosa popular , e o nosso povo “Alminhas” .

As Alminhas são padrões de culto aos mortos ,hoje consideradas património artístico religioso, mas no fundo pequenos altares onde se pára para deixar uma oração  (P.N.A.M),é frequente encontrar velas  e lamparinas acesas ou numerosas oferendas de flores.

Foi o decreto sobre o Purgatório que o Papa Pio V lembrou  aos fieis que existe e as almas retidas nele , são julgadas pelo sufrágio dos fieis e particularmente pelo aceitável sacrificío do altar.

Mandava o Santo Concilio que os Bispos se esforçassem para que a doutrina sobre o Purgatório ensaiada pelos padres fosse acreditada, motivada e em todos os lugares pregada pelos fieis de Cristo.

Esta doutrina motivou muitos artesãos e artistas  na criação de muitas Alminhas .

As Alminhas são uma criação genuinamente portuguesa e não há sinais de haver este tipo de representação das almas no Purgatório pedindo para os vivos se lembrarem delas , para puderem purificar e subir até ao céu em mais alguma parte do Mundo.

Na região de Oleiros há Alminhas dispersas pelos caminhos do pinhal implorando aos vivos que se lembrem delas.

No entanto “A MORTE LENTA” a que estão devotadas estas manifestações identitárias da religiosidade popular própria do nosso povo, fiquei indignado , revoltado e com vontade de reclamar a quem de direito , além de devotadas ao ostracismo , encontrei algumas delas em deplorável estado de conservação ,e outras completamente vandalizadas.

Depois de esta aventura de regresso ao reino, acabei por visitar um lugar onde a tertúlia paira e o nosso povo é mais genuíno e inteiro a Tasca do Luis Abilio, ao tentar iniciar o tema de conversa motivo da minha indignação fui confrontado, com a Boa Nova o município de Oleiros tinha ficado no Top dez dos concelhos de maior eficácia , fiquei orgulhoso e agradado, muito bem!

Logo entendi que não me serviria de nada reclamar ou melhor informar, pois, perante tal desempenho de eficácia perante a grandiosidade da obra, eles são piscinas , courts de ténis e que grande torneio se irá realizar neste dias ,um novo hotel , o porto de Álvaro , a fabulosa exposição realizada na época natalícia ,(ops será que houve?), certamente não haverá espaço e tempo para coisas menores.

Apesar de saber que é sempre muito fácil falar do que acontece e ver o que aconteceu , o mais difícil é fazer acontecer, nesse sentido  o que faz falta é avisar a malta para todos em conjunto tentarmos restaurar promover a nossa identidade e o legado dos nossos antepassados ,pois se nada fizermos nada acontece, e então resta-nos mesmo um P.N.A.M  (padre nosso ave Maria)

Bem Hajam

ESTREITO 12 DE JANEIRO 2012

CARKOS CORREIA

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques, Estreito, Oleiros. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *