Contribuições para a História de Oleiros, por Carkos Correia

Capela Santa Margarida

Em Junho de 1810 um enorme exército de 65 mil homens comandado pelo Marechal Massena, entrou em Portugal pela Beira Alta em direcção a Lisboa ,á sua espera encontrava-se uma força inglesa com cerca de 31 mil homens sob o comando do General Wellesley (futuro duque de Wellington) coadjuvada por cerca de 26 mil portugueses.

Em sintese a estratégia inglesa foi retirar-se á frente das tropas francesas , arrastando-as para combates (Buçaco 27 de Setembro de 1810) cada vez ,mais afastados das suas bases de apoio que se encontravam no centro de Espanha . Daí resulta que os franceses incapazes de transpor as fortificações que defendiam Lisboa Norte (linhas de Torres Vedras) acabaram por ter que se retirar de Portugal m Outubro de 1811.

As batalhas afectavam directamente areas restritas consistindo em cercos a fortificações ou no choque frontal de colunas de tropas em que a baioneta era tão mais impotante que o tiro.Todavia por causa das dificuldades de transporte os exércitos viviam da terra onde marchavam ,sendo assim  era a pilhagem o seu grande aliado de guerra,

Em 1809 Wellington ,falando dos seus próprios soldados lamentava”têm saqueado o país do modo mais terrivel”.

Entre 1810-1811- em Portugal ambos os exércitos aplicaram a política da terra queimada para dificultar as manobras do adversário é neste contexto e cenário de desolação que se encaixa a passagem do  exército françês por terras de Oleiros , fazendo com que as suas gentes se tivessem deslocado com os seus parcos haveres para as margens do Zézere (Abitueira .cambas) para não serem chacinados e pilhados ,reza a história e a sinarquia do deus Hermes que uma vez em Oleiros fizeram da capela de Santa Margarida um paiol, aquando da sua retirada seguindo a tal política de terra queimada a fizeram explodir , qual espanto geral , a imagem de Santa Margarida estava inalterável no stío da Horta Santa , clamando o povo MILAGRE,MILAGRE!!!!!!

 Carkos Correia                                       Lisboa 4 de Janeiro 2011

Nota do Director: Carkos Correia, um Amigo do Jornal de Oleiros, junta-se agora aos Colaboradores que animam o jornal e, regularmente, editará as Suas imperdíveis Notas Pessoais. Agradecemos a Sua Colaboração e estima.

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques, História, Oleiros com as tags . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *