Um Natal ao vivo, por Ana Neves

Um Natal ao Vivo

Estávamos no início da década de sessenta. O Natal aproximava-se e entre os mais novos combinava-se a ida ao musgo que crescia abundante nos pinhais, soutos e muros envelhecidos. O Presépio era feito de acordo com o meio natural que nos rodeava. Com montes e vales, pontes e riachos que reis e pastores teriam que percorrer até à lapinha.

Presépio ao vivo

Sem “faces ocultas”, andávamos todos de cara bem descoberta e curtida pelo vento puro e fresco da Serra.

Nessa época, no nosso vocabulário, não existia a palavra consumismo e as prendas no sapatinho eram muito frugais. O Menino nunca era questionado pela ausência da boneca sonhada ou do carrinho desejado. O comércio local, onde eram feitas as poucas compras natalícias, não era apelativo e a ausência de publicidade televisiva, tornava tudo mais fácil.

E foi então que recebemos na Escola a visita do jovem Padre Fernando Leitão, recentemente colocado na nossa Paróquia. Cheio de iniciativa, anunciou a intenção de realizar nesse Natal um Presépio vivo e fez de imediato um breve “casting” onde escolheu os participantes.

No dia marcado, a fria capela de S. Sebastião transformou-se como por magia num cenário pastoril, de singela beleza, que deliciou os visitantes.

Eu, sendo um Anjo, tive a suprema dita de levar comigo, no final, o Menino Jesus.

Na Missa do Galo desse ano, sem preocupação com o vírus H1N1, entoámos o “Alegrem-se os Céus e a Terra”, beijando o Menino, com um brilho nos olhos e o coração cheio de júbilo por mais um Nascimento.

Deixando esta imagem de Inocência e Paz, desejo a todos um Santo Natal, não esquecendo os nós e os laços que nos unem sempre.

Ana Neves

Nota do Director: Ana Neves é uma Querida Amiga, Fundadora do Nosso Jornal.

É enorme o previlégio de a ter activa, interventiva.

Esta Senhora, Professora na Amieira quando não havia transportes da Amieira para Oleiros, merece o nosso destaque pela luta pelo Concelho, pela cultura, e, especialmente pela Sua humildade.

Se um Jornal pode sentir-se realizado, esse é o caso do Jornal de Oleiros que conseguiu reunir tantos e tão proeminentes Amigos do Jornal, mas, especialmente de Oleiros.

A nossa homenagem singela, mas, afirmativa, orgulhosa.

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Destaques, Igreja católica. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *