EDITORIAL

Jornal de Oleiros - EDITORIAL

RESPONSABILIDADE

 

Não podemos exigir menos.
Com o País à beira de uma catástrofe que será vigente nos próximos anos, e não se sabe se algum dia será recuperável, não é aceitável o debate público que “escorre” para a via pública desordenadamente.
A europa já percebeu e todos os dias repete, avisando, “assim, Portugal não resolve os seus problemas”.
Diferentes países e organizações influentes avisam que podem não aprovar os empréstimos.
Não se consegue perceber o apêgo ao poder do actual Primeiro-Ministro.
A folha de serviços que deixa, podendo não ser e não é totalmente da sua responsabilidade, deveria pelo menos exigir que o afastamento fôsse imediato, abrindo caminho a outros companheiros mais apetrechados para o substituir, apaziguar as relações com as oposições e, também, quem sabe, garantir bons resultados nas eleições de 5 de junho.
Aqui mesmo ao lado, Zapatero que não tem uma folha de serviço tão negativa (não deixou Espanha quebrar nas suas mãos) o que já não é pouco, decidiu e anunciou o afastamento e não se apresenta a eleições.
É um gesto notável que garantirá um lugar na história política de Espanha.
Ao invés, aqui em Portugal, num momento asfixiante, com a candidatura deste Primeiro-Ministro, tudo podemos deitar a perder, inclusivé o não empréstimo europeu e do FMI.
E não se pode dizer que o PS não tem alternativa. Têm várias e sólidas.
Todas bem vistas, de Luis Amado a António Costa, seria ainda possível avançar outros nomes como António José Seguro, mesmo Francisco Assis, etc, etc.
Porquê então este apêgo?
Portugal vive um momento de grande infelicidade.
A este Primeiro-Ministro, junta-se um Presidente da República pouco interventivo e também fragilizado pois é parte importante de todo este descalabro e a ele se deve também o imenso défice.
O momento não é de grandes expectativas para o futuro.
Assim sendo, compete-nos a nós, localmente, dar esperança, fazer acreditar as populações, não permitir a histeria e o descalabro.
Director

Sobre Jornal de Oleiros

Nascemos em 25 de Setembro de 2009.
Esta entrada foi publicada em Editorial, Oleiros com as tags , , , . ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *