REINVENTAR PORTUGAL 6: Raízes da Cultura Ocidental – (4) Valores intelectuais e significado da cultura helénica

REINVENTAR PORTUGAL 6: Raízes da Cultura Ocidental – (4) Valores intelectuais e significado da cultura helénica

Por Fernando Silva

Propositadamente, não quis desmanchar o prazer de deixar os meus leitores embalados na visão romântica projetada dos nossos antepassados ancestrais da civilização minoica, os cretenses. Mas agora sou obrigado a apresentar outra perspetiva histórica sobre eles. Precisamente por entender que é necessário fazer uma autoanálise crítica à natureza da nossa própria cultura que seja acutilantemente chocante. Por isso temos de referir também outra realidade. Isto porque só a verdade produz os ingredientes propícios à criação duma sociedade madura a que todos almejamos resultante de princípios de liberdade genuína. A outra realidade é que os cretenses minoicos não deixaram na Península Ibérica só os traços culturais mencionados no artigo anterior. Deixaram também indubitavelmente no coração social dos iberos as marcas terríveis e negativas do seu mau caráter descrito por um dos seus profetas e comprovado pelo teólogo romano Saulo de Tarso que afirmou: “Um deles, seu próprio profeta, disse: os cretenses são sempre mentirosos, bestas ruins, ventres preguiçosos. Este testemunho é verdadeiro.”

Bem, respiremos fundo, tiremos as ilações, e avancemos para abordar os valores intelectuais, significado e cultura dos povos helénicos, também precursores da cultura ocidental e em particular da portuguesa.

A influência grega é muito marcante, informativa e formativa da nossa cultura. Como o epicentro da cultura ocidental tivesse passado definitivamente o Mar Mediterrâneo visto que os os helenes conquistaram os minoicos levando-lhes a cultura, a civilização Europeia deu mais um passo rumo à formação do pensamento ocidental e português. Os gregos desenvolveram uma estrutura de padrão de pensamento que se tornou nas linhas mestras da civilização ocidental particularmente relacionadas com a educação, a filosofia, a ética e a política. A religião do Olimpo influenciou a mentalidade popular com as suas idealizações clássicas dos conceitos de humanidade. Um deles é o da “cidade estado” desenvolvido pelo respeito às leis inter-humanas e aos padrões de convivência e comportamento social civilizado até então desconhecido e ainda hoje estranho em muitas partes do mundo.

Este conceito envolvia outros como o da cidadania, o do parlamento, e o da independência da cidade face às outras cidade-estado – a polis – e às colónias como a de Olissipona (atual Lisboa). A cidade era indenpendente, e os cidadãos eram todos os homens livres nela nascidos. Nela existia o templo do deus adorado localmente na parte mais alta – a acrópolis – cercado pelo parlamento, e pelas demais instituições necessárias à organização e ministérios do poder político. Todos os cidadãos tinham assento de pleno direito no parlamento podendo votar e ser votados para cargos de liderança pública. E no parlamento – a ekklesia (que mais tarde veio a ser utilizada por Jesus e pelos cristãos como igreja) – os cidadãos chamados de fora para se assentarem no parlamento participavam da delibaração das leis que governavam a vida social coletiva de todo o estado. Tinham direitos e deveres. Este conceito produziu prosperidade e desenvolvimento social inigualável no passado, permitindo tempo de lazer, pensamento especulativo e filosófico, criações artísticas, e desenvolvimento arquitetónico e de engenharia. Edifícios magníficos foram arquitetados, erigidos e decorados com estruturas e frescos belíssimos, como produtos dos avanços das artes. Os cidadãos iam ao ginásio, ao teatro, e aos locais públicos de debate político. E estes talentosos helenes estabeleceram uma fundação cada vez mais sólida para a era dourada seguinte na construção da civilização ocidental.

O que os gregos aprenderam da cultura minoica aplicaram na sociedade como pensamentos e ideais a governar a vida social coletiva. E o desenvolvimento da sociedade do tipo cidade-estado através de programas educacionais bem pensados produziram rápida atividade intelectual e literária, particularmente no ramo da filosofia. Assim, abundavam os filósofos entre os gregos antigos, e a sua contribuição para o entendimento do que deviam ser o bom comportamento e a ação nos assuntos citadinos era marcada por uma vida intelectual cheia de ideais carregados de ética e de moral.

No nosso caso, com cerca de um milénio de história, depois de termos sido colonizados por essas gentes progressistas e educadas, como provam as reminiscências desses tempos áureos em Lisboa e em Évora, ainda não aprendemos a cuidar de nós própios. Como diz o povo: “Nem nos governamos, nem nos deixamos governar”. Assim que tivemos oportunidade na nossa história fugimos para o mar à procura da felicidade em outro lado qualquer porque aqui não se encontra. Para vergonha portuguesa, os nossos níveis de cidadania são baixíssimos, falta-nos a tolerância e desrespeitamos o pensamento e a individualidade dos outros, ignoramos a importância da lei da diversidade social e religiosa, e desconhecemos a importância da educação e da promoção do debate filosófico sério. Desconfiamos do saber dos outros, mas nivelamos a fasquia educacional por baixo permitindo sermos tratados por doutor ou doutora com apenas uma licenciatura, muito aquém do verdadeiro doutoramento filosófico (PhD) com que as sociedades modernas e desenvolvidas se nivelam. Na nossa história magnífica com os descobrimentos apropriamo-nos da glória que aos judeus portugueses pertence por terem sido os grandes mentores e sérios financiadores das descobertas portuguesas, dirigindo com mestria os polos de educação por detrás desse empreendimento maior de Portugal. Claro que seria injusto e incorreto esquecer a liderança do processo que coube aos políticos e nobres portugueses dessa época áurea ou esquecer os que embarcaram nessa enorme aventura pelos mares desconhecidos e povoados de mistério e de lenda terrível.

No entanto, pouco aprendemos nessas viagens. Quem viaja pelo mundo percebe que nós portugueses somos mesquinhos relativamente aos outros, pateticamente provincianos e tradicionalistas, arrogantemente iliterados na filosofia essencial da vida, desrespeitadores da decência do pensamento verdadeiro, e voluntariamente medrosos relativamente às outras classes sociais que delimitamos com impossibilidades de ultrapassar. Bebemos das outras culturas desenvolvidas até ao ponto de conseguirmos equilibrar a nossa balança de pagamentos e paramos aí com medo de perder a compostura cultural tradicionaista que me atrevo a chamar de perversa e deprimente.

Portugal precisa de enxergar com clareza a história dos seus vizinhos europeus. Ou seja, precisa de compreender de facto o que fez com que outros países europeus e do mundo ocidental se desenvolvessem tanto, para assim reformar o seu coração social coletivo e preparar-se para tempos áureos de prosperidade e de desenvolvimento. E este desenvolvimento deve abranger todos os seus filhos e não apenas a classe alta da sociedade. Porque ninguém progride amarrado mentalmente ao passado, nem é feliz ao ver os outros pobres. Ao passado tira-se o chapéu, ao presente e ao futuro arregassam-se as mangas e trabalha-se arduamente com inteligência e de acordo com linhas mestras e bons propósitos preestabelecidos.

Talvez se questione porque hei-de mergulhar tanto nas nossas raízes históricas. Simplesmente para nos entendermos e percebermos quem realmente somos e o que podemos vir a ser se aprendermos dos avós dos nossos avós a quem mencionamos no nosso hino nacional. A história é a testemunha que atesta o passar dos tempos; ilumina a realidade, revitaliza a memória coletiva, providencia direção para a vida diária e para o futuro, e traz-nos as marés dos pensamentos, das intenções, dos propósitos, e dos feitos da antiguidade para nos ensinar como meninos o que fazer da vida atual. E se realmente queremos o progresso coletivo e o bem estar social de todos, então faremos bem em prestar atenção a Vico sobre o progresso e as suas leis. É que segundo ele, viver no passado é desperdiçar a vida. Mas o passado deve ser avaliado, e dele serem extraídos os elementos que regenerem e refresquem as leis do progresso em operação no presente e com visão de futuro. O retrossesso é sempre possível a qualquer momento mas o progresso não, e errar os alvos – pecar – é sempre o obstáculo que devemos eliminar. Mas como acertar em alvos que ainda não foram propriamente determinados na sociedade? Ralhamos, ralhamos, mas não temos pão e não fazemos o que devemos para tê-lo, e que é: preparar o chão, semeá-lo, cuidar dele, colhê-lo, moelo, amassá-lo, cozê-lo, e colocá-lo na mesa. Vamos agir mais e falar menos porque “mais valem atos do que atas” como dizia José de Oliveira Pessoa, amigo sério dos oleirenses.

 (Continua no próximo artigo)

Por Fernando Silva

Esta entrada foi publicada em Oleiros. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *